quarta-feira, abril 29, 2015

janelas


No outro dia perguntava aos meus alunos se podíamos falar de janelas de modo metafórico...
Uns disseram que sim, mas não conseguiram desenvolver o assunto...
Um deles disse que não. Janelas são janelas, nada mais...

terça-feira, abril 28, 2015

workshop


Escolhi esta página do meu caderno para servir de referência ao workshop que vou orientar no próximo dia 20 de maio, às 19h, em Entrecampos, a convite dos Sorrisos de Lisboa.
Por ser uma das mais experimentais que tenho, sem a preocupação de ter um desenho bonito e acabado, penso que é esse o princípio básico para se começar a usar livremente um caderno: sem preocupações!

| Workshop |
Levar um pouco de Lisboa todos os dias no diário gráfico

Local: Entrecampos (ponto de encontro: início do jardim do Campo Grande)
Data: 20 de maio, quarta feira, das 19h às 21h30
Custo: 15€

Inscrições: sorrisosdelisboa@gmail.com

+ info e descrição detalhada aqui.

segunda-feira, abril 27, 2015

April 25 - freedom revolution


O meu dia da Liberdade foi passado a desenhar com liberdade e sem medo de errar.
Grande foi a lição que guardei: a liberdade sabe tão bem...

terça-feira, abril 21, 2015

aulas...

      O museu Bordalo Pinheiro tem peças de cerâmica              Gosto de começar a falar de aguarela a partir
      incríveis para desenhar. Na semana passada fui                 das cores que temos disponíveis na nossa
      lá com os meus alunos fazer este exercício...                    caixa. Partir das cores primárias, ainda que
                                                                                             não sejam exatamente o amarelo, o cyan e o
                                                                                             magenta, é sempre o que me parece mais acertado
                                                                                             para compreendermos as cores que vamos utilizar.

quarta-feira, abril 15, 2015

Bom feedback


É muito bom quando, de surpresa, vemos o nosso trabalho reconhecido desta forma!

Cliquem na imagem e vejam a partir do minuto 7:53.

terça-feira, abril 14, 2015

Barcelona - extra


Tinha ficado este desenho de fora das publicações, mas ele tem que se lhe diga: com uma média de 17 kms a pé por dia, muitas foram as paragens nos semáforos vermelhos das passadeiras. Só no último dia (talvez por já estar em rotação de desenho elevada) é que comecei a aproveitar esse tempo perdido e a desenhar enquanto esperava o sinal verde. 
A situação era quase anedótica mas, aos poucos, os alunos à minha volta foram tirando os cadernos e acabaram por fazer o mesmo...
... o desenho contagia. É mesmo um facto!

segunda-feira, abril 13, 2015

Composição


A composição que me interessa no desenho não é tanto aquela que ocupa determinado espaço na folha de papel, mas a conceptual, a que nos coloca a pensar...

sexta-feira, abril 10, 2015

Barcelona

(publicado nos urbansketchers.org)


4.º dia 


Nunca pensei levar tantas cotoveladas e empurrões no mercado da Boqueria. Do meu lado esquerdo estava a Mercedes a desenhar a outra parte da banca que depois deveria encaixar (e bater certo) com o meu desenho. Começámos pela mancha procurando definir as zonas de cada fruta. A linha iria dar o pormenor que a mancha não tinha conseguido dar...


Neste dia almocei muito bem mesmo. O Lapin recomendou um mercado que tinha aberto há muito pouco tempo e as tapas que comi serviram para ficar rendido em definitivo à comida catalã!
Logo depois, o Museu Picasso esperava por nós. Estava uma multidão e não era possível entrar de imediato, pelo que me refugiei num recanto...


Lá dentro, como é óbvio, a minha atenção prendeu-se nos desenho. Deambulei para escolher um. Os da fase mais jovem dele são muito apetecíveis, mas tinha dito a mim mesmo que quando encontrasse um que fizesse o clique, parava e começava a desenhar, mesmo que isso implicasse não ver o resto da exposição. E assim foi. Este desenho dele tem qualquer coisa de especial. A legenda era "o louco", a posição das mãos, genial, e a dedicatória, simplesmente enigmática...

Se estivesse a conversar com o Roland Barthes, diria-lhe que este desenho foi o meu punctus da exposição.