quinta-feira, setembro 29, 2016

Sketch Night at Society of Illustrators | NYC

Veronica Lawlor (VL): Mario, I would like to invite you to a modeling Sketch Night at the Society of Illustrators. You will be my guest.
Mário Linhares (ML): Wow! Thanks for inviting me. I'll go for sure!
VL: The address is 128 East 63rd Street. The session start at 6.30 pm. Don't be late! We have to pay $20, but they offer a small plate buffet for dinner.
ML: I'll be there. Count me in.


O tema da noite era o dia de S. Valentim e as duas modelos convidadas e vestidas por um estilista de NYC vinham de vermelho. A primeira fazia poses fabulosas, dinâmicas, cheias de piada e energia. A segunda, mais magra, era muito estática, poses aborrecidas praticamente com os braços caídos e as pernas paralelas. No intervalo da primeira sequência de poses perguntei:
ML: Ronnie, the second model is so boring. Do you know what's happening?
VL: Yeah, I don't know why she's here. I think it's her first time posing for sketchers. I did just a red vertical shape to sketch her...

E rimos os dois às gargalhadas!


Elas iam intercalando e, na segunda ronda, praticamente deixei de a desenhar. Foquei-me apenas na modelo melhor e fui desenhando também o ambiente. 
A minha tinta da china estava mesmo no fim. Já raspava com o pau no recipiente e quase não saía nada -  Mas por que raio não trouxe eu mais tinta?


Tive uma tentação enorme em colocar cor vermelha. Tanta, tanta, que tirei um caderninho pequeno, desenhei rapidamente a modelo aborrecida e brinquei com umas manchas de aguarela. Não queria contaminar o caderno grande com cor, agora que já tinha tantos desenhos feitos apenas a preto.

No final, ao ver a exposição de ilustração que estava na sala e em conversa com a Veronica (Ronnie para os amigos), chegávamos a uma conclusão: 
Technique is nothing compared with the mind concept. It's all about the idea, not the technique...

2 comentários:

teresa ruivo disse...

Esse debate (technique/mind concept) faz-me lembrar uma frase que o meu pai dizia a brincar, sobre outro par de coisas :"Antes rico e com saúde, do que pobre e doente!" :)

Luís Ançã disse...

Bela história, Mário.
Estou de acordo que a conceptualização seja fundamental na criação artística.