domingo, setembro 25, 2016

Manhattan panorama view


No dia 12 de fevereiro, neste post, tinha prometido contar a história do desenho feito dentro do restaurante com duas estrelas Michelin. Pois bem, é muito simples. Se fosse uma notícia de jornal, poderia ter este título:

Em Nova Iorque, de propósito
Com seis graus negativos, em pleno mês de fevereiro e as mãos a congelarem, passaram de Ferry para o bairro de Brooklyn à procura da vista mais icónica de Manhattan. Uma camada fina de gelo nos bancos de jardim e o vento rasante eram sinais de que o desenho desejado seria impossível de realizar. Ponderadas todas as possibilidades, entrar no The River Cafe era a última solução; nada mais, nada menos que um restaurante bem chique com duas estrelas Michelin à porta e um dress code bem apertado...
Dirigiram-se à entrada e, de imediato, foi-lhes dito que estavam fechados. Eram quatro da tarde e só a partir das cinco é que abriam para bebidas. Disse-lhes o Mark Leibowitz: 

- O meu amigo está cá de propósito para desenhar esta vista. Veio de Portugal e vai embora amanhã.
- Vou chamar o gerente. - respondeu a rapariga tão bem vestida e de tão bom ar que parecia saída de uma passagem de modelos.

Veio o gerente - também um charme - e disse:

- O melhor que posso fazer por vocês é emprestar-vos um smoking para entrarem.
- Este é o Mário Linhares, um famoso sketcher de Portugal. Veio cá de propósito e vai embora amanhã. Só precisamos de ficar 30 min. Não nos vai negar isto, pois não?

O caderno do Mário abriu-se e mostrou-lhe os desenhos com um ar confiante de que seria mesmo o melhor desenhador do mundo. Mostrou também o pau de madeira, a tinta da china no boião e aquilo acabou por impressionar.

- Entrem então - disse o charmoso gerente.

Escolheram o melhor banco ao balcão e começaram os dois a desenhar. Passados 15 minutos entrou um casal que lhes quis comprar os desenhos. Disse a senhora super chique para o seu muito-bem-vestido marido:

- Este ficava mesmo bem lá em casa não era my love? Por quanto o venderia?

Mas o Mário não lhe vendeu o desenho. Tinha na mente um projeto expositivo: 
| um português | uma técnica asiática | a desenhar em Nova Iorque |

Só não lhes disse que não tinha ido lá de propósito e que não ia embora amanhã. Essa era a mentira do seu amigo Mark para conseguir entrar de calças de ganga, luvas, gorro e casaco farfalhudo num restaurante chiquérrimo.
O projecto, esse, talvez ainda se concretize...

4 comentários:

Filipe Almeida disse...

Ah Ah! Deliciosa, esta história.

Henrique Vogado disse...

Adorei a estória! Imaginava a senhora super chique a dar valores pelo desenho e a pensar onde o expor. Deve ter parecido um episódio de uma série televisiva.

Mário Linhares disse...

:)
Não chegámos a falar de valores!

As memórias que estes desenhos carregam são muito mais valiosas que os próprios desenhos!

L.Frasco disse...

Apetitosa esta história, Mário! Vale sem dúvida 2 estrelas!
(Belo projecto esse que tens na calha!)

E, engraçado, tu estiveste num 2 estrelas, eu estive ao ar livre no peer mesmo ao lado, sentado num ferro de amarração dos barcos, a desenhar a mesma vista. Mas estava um cadinho mais quente...