domingo, setembro 04, 2016

Guggenheim - NYC


Acordava constantemente cedo. Por volta das 6h já não tinha sono. Penso que a diferença horária de 5 horas demorou um pouco a ser vencida. Levantei-me, tomei banho, vesti-me, saí do hotel, parei para tomar o pequeno almoço (torradas, fruta, iogurte e café), fui para o metro na direção de Uptown até sair numa estação próxima do Guggenheim. Caminhei umas boas centenas de metros com as mãos geladas nos bolsos (mesmo com luvas) e um vento rasante que teimava bater na cara, mas cheguei lá cedo demais; por volta das 9h e o museu só abria às 10h. Estava um frio que se entranhava nos ossos, mas não ia ficar uma hora sem desenhar. Limpei um banco cheio de geada com um pequeno guardanapo de papel, sentei-me (e logo senti o frio a subir pela espinha), abri a mala, tirei o caderno, tirei também as luvas e pensei: é só durante uma hora...

Fiz aquele pequeno desenho que está na página esquerda e, quando já não aguentava mais o frio (sentia-me um boneco de neve a dirigir todo o seu calor para as mãos, deixando o resto do corpo esquecido), levantei-me, vi as horas (ainda faltavam 40 min.) e fui desenhar outro ponto de vista do edifício, mas em pé. Desenhei o que está do lado direito, com o caderno em cima de um caixote do lixo. Estava numa esquina e o vento estava cada vez mais forte. Passavam por mim alguns nova-iorquinos a passear os cães, ainda de roupão...
Vi, entretanto, que a loja do museu ia abrir. Estou salvo, pensei. Entrei, vi tudo o que eles têm para vender, e fui depois para o hall onde me perdi a desenhar aquele interior maravilhoso que o Frank Loyd Right tão bem conseguiu projectar.


Comprei o bilhete e decidi perder todo o tempo que fosse preciso ali dentro. Não me iria escapar nada. Ouvi a história do edifício, a polémica que se criou quando foi apresentado, vi a exposição permanente (absolutamente fabulosa) e as temporárias ao longo da espiral enquanto subia: instalações, vídeos, esculturas, pinturas... Andei para cima e para baixo. Quando pensava que me ia embora decidia voltar atrás e ir ver tudo de novo.
Sentei-me, depois, num canto discreto, entre espirais e comecei a desenhar de novo...

1 comentário:

teresa ruivo disse...

Mário, só tu para te atirares a um desafio assim tão díficil (e, claro, só tu para conseguires superá-lo desta forma!)