sábado, março 28, 2009

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau


Tirei esta fotografia quando ia a caminho da pesca. O percurso que demorou quase uma hora a pé estava cheio de imagens entusiasmantes! Senti-me completamente abafado com tanta informação visual... senti claramente que não consegui captar todos os pequenos momentos fabulosos daquele percurso...

... uns ficaram para sempre em forma de pixeis...
... outros ficaram para sempre na minha memória visual...

____________________________________________________________________

I took this picture when I was on my way to fishing. The track, which took me about an hour on foot, was full of thrilling images! I felt completely overwhelmed with such visual information… I felt that I clearly couldn’t snatch all the little fabulous moments of that path…

… some were left forever in the form of pixels…

… others were left forever in my visual memory…


terça-feira, março 17, 2009

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau


Sei que a minha regularidade em publicar aqui imagens e texto está a ser irregular, mas é o possível! Peço paciência a quem vem aqui diariamente procurar informações novas sobre Empada e a minha experiência lá...

Há uma semana atrás um comentário de uma pessoa amiga a esta fotografia fez-me olhar para ela com outros olhos...
"Essa é a tua melhor fotografia" - disse ele. Fiquei intrigado, até porque pouco mais do que isto me foi dito...

O senhor que olha directamente para mim enquanto o fotografo está no átrio do hospital de Empada. Não sei que doença tem, mas a sua expressão mostra que está debilitado...
Dos vários dias que visitei o hospital, ele esteve sempre ali, enrolado naquela pequena manta. O canapé afundado não mostra como ele está magro e doente...
... a cadeira vazia à sua frente parece pedir alguém que se sente para conversar...
... as sombras das toalhas penduradas indicam-lhe um caminho novo, como que a puxá-lo daquele lugar... como que a puxá-lo para a vida...

__________________________________________________________________

I know my regularity in publishing texts and images here has been uneven, but it’s all I can do! I ask whoever visits my blog and searches it on a daily basis looking for new information about Empada and my experience there for your patient…

A week ago, a comment of a friend regarding this picture made me look at it with different eyes…

‘This is your best picture’, he said. I was intrigued, also because I was not told much more than that…

The man looking directly to me while I take his picture is in the lobby of Empada’s hospital. I ignore his illness, but his expression lets me know he is debilitated…

Out of the many days I visited him in the hospital, he was always there, curled in that old blanket. The sinking canape hides how thin and sick he is…

… the empty chair in front of him seems to ask for someone who will sit there to chat…

… the shadows of the hanging towels point him a new path, as if they were pulling him out of that place… pushing him into life…

domingo, março 15, 2009

quinta-feira, março 12, 2009

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau


Quando olho para esta fotografia e tento escrever fico sem saber o que dizer...

Só me vêm as saudades e tenho vontade de voltar a colocar os meus pés naquela lama, pegar numa rede e pescar como elas.

Gosto desta fotografia... da mão dela a pegar na rede... da expressão do olhar... dos nós que estão em primeiro plano...

____________________________________________________________________

Whenever I look at this picture and try to write something down, I just don’t know what to say…

I get nostalgic and all I long for is getting my feet back on that mud, grab a net and go fishing just like them.

I like this picture… her hand seizing the net… the expression in her gaze… the close up of the knots…

domingo, março 08, 2009

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau


Quando se tem pouco brinca-se com quase nada...
Quando temos muito, não queremos brincar com o quase tudo que temos...

Em Agosto a chuva cai a qualquer instante... num momento está um calor quase insuportável e um segundo depois parece que toda a água do céu decidiu cair naquele pequeno território...
É uma situação de contraste! O Sol quente e a chuva forte coexistem quase em simultâneo...

É uma situação de contraste... assim como é toda a Guiné e restantes países pobres. Coexistimos com eles e tão depressa ficamos com a barriga virada para o Sol, a pensar no nosso bronzeado bonito, que mal nos apercebemos que há chuva a cair em algum lado. Enquanto isso o Sol vai-nos queimando porque adormecemos numa atitude passiva de quem não quer saber mais do que o seu bronzeado bonito...

____________________________________________________________________


When you don’t have much, you play with almost nothing...

When you have a lot, you don’t feel like playing with the ‘almost everything’ you have…

In August the rain can start falling at any moment… it can be an unbearable heat and a second later it seems that all the water in the sky decided to fall upon that little piece of land… It is a situation with such contrast! The burning sun and the hard rain coexist almost simultaneously…

It is a contrast situation… such as Guinea and the other poor countries. We coexist with them and we turn our bellies so fast to the sun, merely concerned with our pretty tan, that we barely realize that the rain is falling somewhere else. Meanwhile, we get tanned by the sun because we fall asleep in a passive attitude like we don’t care anymore about our pretty tan…


domingo, março 01, 2009

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau

(07.Março)

A criança sentada ao colo da mãe chama-se Arafam. Está a comer um limão, pois é das poucas coisas que o seu pequeno estômago não rejeita. A mãe trouxe-o de uma tabanca distante para o levar ao médico, mas após duas semanas o Arafam deixou de sofrer e morreu...
Todos os dias esta mãe aparecia no Centro de Recuperação Nutricional para tentar comer a papa especial para as crianças subnutridas, mas tinha muita dificuldade em engolir e a mãe tinha pouca paciência...

Ao fim de duas semanas longe de casa, a mãe (claramente) tomou uma opção: voltar para casa e cuidar dos outros filhos que lá tinha deixado...
É claro que esta opção não incluia lutar pela vida do Arafam... foi um desistir da vida de um filho em prol dos outros que também precisavam da mãe.

Não é fácil optar entre uma vida ou outra quando todas estão em risco. Para nós, que temos todos os meios ao nosso dispôr, seria impensável desistir da vida de um filho, mas no limiar da pobreza extrema há opções que não temos...

Foi uma tristeza quando soube que o pequeno Arafam tinha morrido. Vi de longe os homens "garandis" de Empada levarem o corpo para o mato para fazer o funeral e, de seguida, nenhum pensamento me ocorreu... limitei-me a ver aquele momento... como expectador... como alguém impotente que não sabe o que fazer...

____________________________________________________________________


The child sitting on his mother’s lap is Arafam. He’s eating a lemon, which is one of the few things his stomach doesn’t reject. His mother brought him from a distant village to take him to the doctor, but two weeks later Arafam’s suffering came to an end when he died…

Every single day, this mother would show up at the Nutritional Recuperation Centre so that her son could try to eat the special meal for undernourished children, but it was too hard for him to swallow and his mother had little patient…

After two weeks far from home, the mother (clearly) made a choice: return and take care of her other children that had been left there…

Obviously, this option didn’t include fighting for Arafam’s life… it was to give up on one son’s life to be there for her other children who also needed their mother.

It isn’t easy to choose between two lives when all of them are at stake. Because we have all means at our disposition, it would be unthinkable to give up on one son’s life, but on the edge of extreme poverty there aren’t as many options from which to choose…

It was with great sadness that I learned Arafam had passed away. I saw the “garandis” men of Empada from a distance when they took his body to the woods to have the funeral and after that I had absolutely no thoughts on my mind… I merely observed the moment… as a spectator… as a powerless someone that doesn’t know what to do…