sexta-feira, janeiro 30, 2009

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau


Além de dizer que gosto muito desta fotografia, tenho apenas a salientar o modo de transporte das mercadorias pelas raparigas guineenses. Enquanto nós usamos a força dos braços, elas usam o equilíbrio do corpo inteiro para suportar todos os pesos em cima da cabeça.

É engraçado elas estarem com as mãos nas bacias, porque tal só acontece quando estão paradas, pois em movimento, o equilíbrio e a harmonia é de tal forma que não parece existir a mínima chance do que elas levam à cabeça poder cair...
____________________________________________________________________

Beside the fact that I really like this picture, I just have to point out the Guinean girls' way of carrying the goods. While we make use of our arm strength, they use their whole body balance to support all the weight on their heads.

It's funny that they have their hands on their hips, because it only happens when they've stopped. In motion, the balance and the harmony are such that it looks like there isn't the slightest chance that what they have on their heads will fall…

terça-feira, janeiro 27, 2009

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau


De toda a entrevista da Sumai, uma das coisas que me lembro melhor foi a resposta dela a uma das minhas perguntas:
- Qual o momento mais feliz da tua vida?
Depois de pensar, ela não conseguiu responder... não percebia a razão de ser da minha pergunta...
Insisti para que respondesse, mas nada...

Esse momento inquietou-me...
Para nós a felicidade é a razão de ser das nossas acções. Se não estamos felizes, tudo à nossa volta parece perder sentido...
Por momentos tive a arrogância de pensar que a felicidade não lhe interessava...

Este foi um dos momentos que me mostrou como sou pequenino... como sei tão pouco sobre os outros... como tenho tanto para aprender... que ousadia da minha parte... querer saber o que é a felicidade para um guineense, estando lá apenas um mês...

____________________________________________________________________

Of Sumai's entire interview, one of the things I remember the better is her answer to one of my questions:

'What was the happiest moment of your life?'

After thinking for a while, she couldn't answer… she didn't understand why I was asking her that question…

I insisted so she would answer, but she wouldn't…

That moment troubled me…

Happiness is the reason behind our actions. If we're not happy, everything around us loses meaning…

For a moment I was arrogant to the point of thinking that happiness didn't matter to her…

This was one of the moments that made me see how small I am… how little I know of others… the many things I have yet to learn… how daring of me… wanting to know what's happiness for a Guinean, having only been there for a month…

domingo, janeiro 25, 2009

Vídeo: Guiné-Bissau | Video: Guinea-Bissau

video


No dia 1 de Agosto fomos pescar com as mulheres de Empada. Os meus pés entraram no lodo e rasgaram-se quando se encontraram com as conchas do fundo e caranguejos à superfície.

À noite fiz este vídeo sobre o dia...

____________________________________________________________________


On the August 1st, we went fishing with the women of Empada. As my feet entered the mud they tore as they touched the shells at the bottom and the crabs at the surface.
At night, I made this video about that day…

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau

quinta-feira, janeiro 22, 2009

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau



O que gosto mais desta fotografia é a divisão horizontal que me faz lembrar a linha que divide o nosso mundo ao meio. Os países do Sul e os do Norte estão separados por uma linha imaginária que distingue a pobreza da riqueza. O que esta fotografia me mostra é que quanto mais espreitamos por entre essas duas linhas, mais descobrimos que afinal existem outros tipos de linhas que não são necessariamente horizontais, mas que se diluem umas nas outras, se cruzam e criam novas formas.

Tentar cumprir os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio não é uma tarefa tão simples ao ponto de se resumir a esbater uma linha horizontal. É antes uma encruzilhada de caminhos cheios de pedras onde tropeçamos, cruzamentos sem indicações, frio, vento e muito calor... mas é também um caminho de superação pessoal. É o descobrir que nos transcendemos quando o corpo físico se sente exausto...

O que esta fotografia me diz é que no meio de tanta burocracia e distracções visuais encontramos sempre algo de fascinante... a pessoa!
____________________________________________________________________

The thing I like the most about this picture is the horizontal division which reminds me of the line that divides our world in two. Southern and Northern countries are separated by an imaginary line that distinguishes poverty from wealthiness. This picture shows that the more we peek between those two lines, the more we find out about the existence of other sorts of lines that aren't necessarily horizontal, which dilute themselves on one another, cross paths and create new shapes.

Trying to accomplish the Millennium Development Goals isn't an easy task as merely removing a horizontal line. It is in fact a crossroad of paths full of stones on which you trip over, with no indications, cold, wind and too much heat… but it is also a path of self overcoming. It is finding out that we transcend ourselves when our physical body is exhausted…

This picture tells me that even surrounded by so much bureaucracy and visual distractions we always manage to find something fascinating… the person itself!

terça-feira, janeiro 20, 2009

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau


Há duas coisas que me encantam nesta fotografia: a cor vermelha da terra e a irregularidade da canoa.

Para mim, terra vermelha passou a ser sinónimo de Guiné-Bissau. Estivesse na estrada, nos campos ou à beira mar, a terra vermelha entranhava-se nos pés parecendo que queria fazer parte de nós. Este pequeno porto de onde os homens saem nas canoas para irem pescar no mar é o que fica mais perto de Empada. Bastam 15 ou 20 minutos a pé. Neste dia a maré estava baixa e esta canoa não chegou a sair do cais. A irregularidade transmite-me o trabalho manual que foi necessário à sua construção... e não deixa de ser curioso o facto da pesca ser também um trabalho manual árduo, pelo menos por ali...

A minha ligação ao Design de Equipamento obriga-me a ver nesta canoa a Arte de bem construir. Há preocupações estéticas? Claro que não! Há preocupações funcionais? Claro que sim! Que design é este? Sim, porque esta canoa também teve um projecto, existem outras semelhantes, não é apenas um objecto artístico! A mim apetece-me dizer que este é o design mais puro que pode haver! Estas canoas estão pensadas para serem leves e mesmo assim aguentarem o peso dos pescadores e do peixe. Não há desperdício de material... quando entram na água ficam mesmo no limite possível... e são produzidas em série... não é uma produção como nós a conhecemos, mas o facto de existirem várias semelhantes prova que há um projecto que é seguido...

Um grande professor de design chamado Tomás Maldonado defendeu que o design de produto é todo aquele que é produzido industrialmente em série. Concordo com ele, mas já concordei mais...
Se for bem projectado, mas se não for produzido industrialmente, não é design?

____________________________________________________________________


There are two things that fascinate me about this picture: the red colour of the soil and the unevenness of the canoe.

For me, red soil is now synonym for Guinea-Bissau. Whether I was on the road, on the fields or by the seaside, the red earth would impregnate our feet, as if it wanted to be a part of us. This little dock, from where men leave on their canoes in order to go fishing at the sea, is the closest to Empada. It only takes about 15 or 20 minutes by foot to get there. On this particular day, the tide was low and this canoe didn't make it off the dock. Its unevenness shows me the handwork that its building took… and it is curious that fishing is also a hard hand-using work, at least in this place…

My connection to Industrial Design forces me to see the art of good craft in this canoe. Are there any aesthetical concerns? Of course not! Are there functional concerns? Surely! What kind of design is this? Yes, because this canoe also had a project; there are others alike it, it isn't a mere artistic object! I feel like saying that this is the purest design that there can be! These canoes are thought to be light and still carry all the weight of the fishermen as well as the fish's. There is no waste of material… when they go in the water they reach their maximum possible limit… and they are produced in series… it isn't a production as the one we know, but the existence of other canoes like this one proofs that there is a project that is followed…

There was a great design professor whose name was Tomás Maldonado who once claimed that product design was everything industrially produced in series. I agree with him, but not as much as I used to…

If it is well projected, but not industrially produced, isn't it still design?

segunda-feira, janeiro 19, 2009

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau


Ir a Bafatá foi uma das poucas viagens que fizemos na Guiné-Bissau. Lá encontra-se um dos mercados mais famosos do sul da Guiné! Passamos por uma rua estreita cheia de comerciantes até chegar ao mercado onde tudo se vende...

É ali que uma das ideias pré-concebidas que temos sobre África se começa a desvanecer. Como a imagem mostra, a organização é a rainha do mercado! Digo rainhas porque são as mulheres que organizam toda a banca. Tudo tem o seu lugar, tudo está como devia estar para captar a nossa atenção. Tudo tem o toque feminino tão organizado, tão delicado...

Há muita gente que me tem perguntado o que se cultiva na Guiné... Não sei tudo o que se cultiva, mas através desta fotografia talvez se possa aprender um pouco mais.
Os sacos laranja, esses, não se cultivam. Têm dentro o sumo mais famoso da região. As crianças metem um dos cantos do saco na boca e vão chupando o sumo aos poucos, para que não acabe rapidamente. Refrescam assim do calor intenso...


Em Agosto de 2008 estava a acontecer um surto de Cólera na Guiné. Infelizmente os cuidados higiénicos não são muitos e estes sumos eram uma das formas com que as crianças a apanhavam. Não se sabe de onde vinha a água com que os sumos se faziam e as mãos também não se lavavam frequentemente...

Ora, se não vivemos sem água e usamos as mãos para levar a comida à boca, ficam dados todos os passos para que essa doença de propague rapidamente...

____________________________________________________________________


Visiting Bafatá was one of the few trips we made to Guinea-Bissau. You can find one of South Guinea's most famous markets there! You go down a narrow street full of merchants until you get to the market where everything is sold…

There is where one of our preconceived ideas about Africa starts to vanish. As shown in the picture, organization is "queen" of the market! I use the term "queen" because women are those who arrange the stand. Everything has its own place, everything is as it's supposed to be so it captures our attention. Everything has a feminine touch, so organized and delicate…

Many people have asked me about what is cultivated in Guinea… I can't say everything that's cultivated there, but maybe one can learn more with the aid of this picture.

The little orange bags aren't grown. Inside of them lies the most famous juice of the region. Children put one of the corners in their mouth and little by little they sip the juice, so they don't run out of it too fast. That's how they cool themselves off from the intense heat…

In August 2008, a surge of Cholera was spreading in Guinea. Unfortunately, hygiene cares aren't many and these juices were one of the ways children caught it. The source of the water in these juices was unknown and their hands weren't often washed…

If we can't live without water and we use our hands to bring food into our mouths, all the steps are taken for the disease to spread quickly…


sábado, janeiro 17, 2009

Lomografia: Guiné-Bissau | Lomography: Guinea-Bissau


Quase no final do documentário "Cuma qui bu na mansi?" há uma imagem que mostra a Segunda a fazer tranças. O cotovelo atravessa a imagem na vertical e há um rasgo de luz ao fundo que nos encandeia...

A Segunda gostava muito de fazer tranças e jogar futebol. Não perdi a oportunidade de jogar futebol com ela, mas não cheguei a aprender a fazer tranças! Foram várias as tardes em que fui a casa dela e a encontrei dedicada aos cabelos das amigas...

Se há investimento que uma rapariga guineense gosta de fazer é pentear-se bem de modo a seduzir os rapazes...

____________________________________________________________________________


Almost at the end of the documentary "Cuma qui bu na mansi?" there is a frame that shows Segunda making braids. Her elbow crosses the frame vertically and there is a flash of light on the back that momentarily blinds us…

Segunda really enjoyed making braids and play soccer. I didn't miss the chance to play with her, but I never learnt how to make braids! Many where the afternoons I went over to her place to find her dedicated to her friends' hair…

If there's an investment a Guinean girl likes to make is to heartily do her hair so she can seduce the boys…

sexta-feira, janeiro 16, 2009

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau


No Hospital o tempo passa devagar... pelo menos é o que parece quando se está lá por alguns momentos...

As enfermeiras aproveitam algum tempo da tarde para se dedicarem ao bordado. Partilham o canapé duplo com os doentes e vão conversando todos juntos. O local de convívio do Hospital é algo semelhante a um claustro. Ali acende-se a fogueira para preparar o almoço para os doentes. Ali passam as tardes todos os doentes que conseguem levantar-se da cama. Ali acontece tudo!

____________________________________________________________________

Time goes by slowly at the hospital... at least that's what it seems when you spend some time there…

The nurses use up some of their afternoon doing some embroidery. They share their double canape with the ill and they all talk the days away. The living room seems like a cloister. It is where you lit up a fire to prepare lunch for the sick. It is also where all those who can get up from their beds spend their afternoons. It is there that everything takes place!

quinta-feira, janeiro 15, 2009

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau


Como nos levantávamos muito cedo, habitualmente costumávamos dormir um pouco depois de almoço. Na primeira semana foi impossível para mim não fazer a sesta. A humidade era tanta que não aguentava os olhos abertos...
... com o passar dos dias fui-me habituando ao clima e aos horários e, em vez de dormir a sesta, dedicava o início da tarde para ir visitar pessoas. Era durante essas tardes que desenhava as crianças, que visitava alguns doentes no hospital, ou apenas e simplesmente, sentava-me a falar com as pessoas no varandim das suas casas.

Um dia, decidi ir visitar a família da Safi. Quando lá cheguei constatei que elas tinham ido trabalhar na horta e só estavam em casa a Fámata e a Aissato. A Fámata deve ter uns 11 ou 12 anos e a Aissato, talvez 2 ou 3. Sentada num banco de madeira a Fámata a segurava ao colo a Aissato que estava doente. Tinha tosse e ardia em febre. Quando as vi percebi logo que algo não estava bem e a sensação de impotência foi tão grande que nem sabia bem como reagir. Percebi que a Fámata estava cansada e peguei ao colo a Aissato até que chegasse o resto da família...
... ter nas mãos um ser tão pequeno e belo (como a fotografia demonstra) e ao mesmo tempo tão frágil foi algo que nunca esquecerei. Ela dormia profundamente nos meus braços e o meu pensamento afligia-me constantemente com a seguinte frase: "porque não foste para medicina?"

Sinto que se fosse médico poderia ser muito mais útil à humanidade... é uma sensação que tenho desde há muito tempo e acho que ainda não lido bem com ela...

____________________________________________________________________________


As we got up really early in the morning, we usually slept for a while after lunch. During the first week, it was impossible for me not to take a nap. The amount of humidity was such that I just couldn't keep my eyes open…

… as the days went by, I got used to the weather and the schedules so, instead of sleeping, I would spend my early afternoons visiting people. It was during that time that I would draw the children, visit some ill people in the hospital or just simply sat and talk to people on their porches.

One day I decided to visit Safi's family. When I got there, I noticed they had gone working in the kitchen garden and only Fámata and Aissato were home. Fámata must be around 11 or 12 years old and Aissato about 2 or 3 years old. Sitting on a wood stool, Fámata was holding Aissato, who was ill, coughing and burning with fever. When I saw the both of them, I immediately realized that something was not right and the feeling of powerlessness was so immense I just didn't know how to react. I noticed Fámata was tired so I held Aissato until the rest of the family came…

… having such a small and beautiful (as shown in the picture) and at the same time fragile being in my hands was something I will never forget. She was soundly asleep in my arms and my mind was constantly troubling me with the question "why didn't you study Medicine instead?"

I feel like if I was a doctor, I could be much more useful to mankind… it's a feeling I've been having forever and I think I still don't know how to deal with it.

quarta-feira, janeiro 14, 2009

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau


Eu não sabia, mas antes de ir para os arrozais ("bulanha" em crioulo da Guiné), planta-se o arroz num pedaço de terra perto de casa. É chamado o arroz de sequeiro. Na altura certa, arranca-se o arroz e replantam-se os pés debaixo de água. É um trabalho perigoso. São vários os casos de pessoas que foram picadas por cobras enquanto plantavam o arroz.

Esta fotografia foi tirada no dia em que fomos visitar a terceira família (que acabou por não aparecer no documentário). O Sr. Quintino era quem plantava o arroz. Estivemos para ir com ele à bulanha, mas a oportunidade acabou por não se proporcionar. Fiquei apenas com a fotografia deste verde tão fresco do arroz de sequeiro plantado por todo o lado perto das casas.

____________________________________________________________________



I wasn't aware, but before going to the rice paddies (which in Guinea's creole is "bulanha"), the rice is planted in a piece of land near the houses. That's called the "dryland rice". When the time is right, the rice is rooted up and its roots are replanted underwater. It is a dangerous task and many times have people been bitten by snakes while doing it.

This picture was taken in the day we visited the third family (which ended up not being in the documentary). It was Mr. Quintino who planted the rice. We were supposed to go with him to the rice paddies, but we never had the chance. I ended up having only this picture of this beautiful green from the dryland rice planted everywhere near the houses.

segunda-feira, janeiro 12, 2009

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau



A partir de hoje, mais uma parceria vai ser estabelecida. O blog irá ficar bilingue. A transformação será lenta e nem sei se os post's anteriores verão a versão bilingue, mas o feito deve-se ao trabalho de uma colega e amiga que aceitou o meu desafio de colocar aqui os seus dotes linguísticos em prática: a Rita Trindade.
Talvez esta versão bilingue do blog torne as actualizações mais lentas, mas logo se vê...

Se o oitavo Objectivo de Desenvolvimento do Milénio for colocado em prática, muito trabalho deixa de ficar perdido e associa-se num unir esforços que podem, de facto, transformar o mundo!

As parcerias acontecem sempre no nosso dia-a-dia. Na escola, em casa, na faculdade, em todo o lado! Até o nosso corpo humano funciona em parceria; os dedos entreajudam-se para pegarem em objectos, as pernas articulam-se para podermos caminhar, os maxilares, dentes e língua conciliam esforços para nos conseguirmos alimentar... mas para mim, a parceria mais fantástica do ser humano são os neurónios! Associam-se uns aos outros para receber, interpretar e partilhar informação. Esta parceria entre neurónios tem um resultado brilhante: o nosso pensamento!

Em Empada, uma das parcerias mais comuns anda sempre à volta do poço. O mais forte bombeia a água para que todos consigam encher o seu balde. O poço não é só sinónimo de água, é também local de convívio, ponto de encontro e brincadeiras...

____________________________________________________________________________

From today on, another partnership will be established. The blog will be bilingual. The transformation will be slow and I don't even know if the previous posts will also suffer this change, but we owe this achievement to the work of a colleague and friend who has accepted my challenge of putting her skills into practice: Rita Trindade.

This bilingual version might slow down the updates, but we'll see…

If the 8th Millennium Development Goal is put into practice, a lot of work will no longer be lost and will result in a union of efforts which can, indeed, change the world!

Partnerships happen all the time in a daily basis. At school, home, college, everywhere! Even our human body works based on partnerships: the fingers help each others to pick up objects; legs articulate themselves so we can walk; jaws, teeth and tongue join efforts so we can eat… but for me, the most fantastic partnership about the human being are the neurons! They associate among themselves to receive, interpret and share information. This partnership among neurons ends in a brilliant result: our thoughts!

In Empada, one of the most common partnerships revolves around the well. The strongest person pumps the water so that everyone can fill up their bucket. The well does not only mean water, it is also a place to be together, a meeting point and a place to play…

sábado, janeiro 10, 2009

Lomografia: Guiné-Bissau | Lomography: Guinea-Bissau


O Ambuduco registado pela fantástica fisheye#2.

O Ambuduco é um senhor que passa a maior parte dos dias sentado num canapé em casa da Sábado e de Jaime (os pais da Helena). Talvez esta proximidade se deva ao facto de terem a mesma etnia - Bijagós. O peso cultural na Guiné é muito elevado. As pessoas quase não conseguem ter opinião própria, pois aquilo que é a tradição tem uma força que se impõe na maior parte dos casos à vontade própria ou ideias pessoais.

Em Empada, uma das etnias que consegue lidar melhor com isso são exactamente os Bijagós. Originários do arquipélago dos Bijagós, deixaram as ilhas à procura de uma vida melhor e isso permitiu-lhes ficar "livres" da imposição cultural da sua etnia. No meio da maioria étnica que são os Biafadas, os Bijagós de Empada não se sentem tão pressionados e conseguem tomar decisões que, na maioria das vezes, não são fruto da cultura, mas do seu discernimento pessoal.

Não quer isto dizer que a sua Cultura não os condicione, antes pelo contrário. Mas uma coisa é certa; a Cultura deve ajudar-nos a defenir quem somos, assim como nós ajudamos a definir e a transformar a Cultura. É uma relação recíproca. A Cultura constrói-nos e nós a ela. Quando esta relação se perde há sempre alguém que fica oprimido...

sexta-feira, janeiro 09, 2009

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau


Uma única estrada liga Empada ao resto do mundo...

A época das chuvas deixa marcas violentas na estrada, fazendo com que grandes buracos apareçam aquando da passagem das "candongas" ou camiões mais pesados. Durante as viagens que fizémos, víamos várias pessoas a caminhar na estrada. Umas iam para as hortas cultivar, outras iam pescar, crianças como as da fotografia iam apanhar lenha. Muitas mães vinham de tabancas (aldeias) distantes de Empada e caminhavam um dia inteiro para irem ao Hospital ou ao Centro de Recuperação Nutricional com os filhos envoltos nos panos e presos às costas.

Se há palavra que caracteriza bem o dia-a-dia de um habitante de Empada, é a palavra CAMINHO. E que importância tem essa palavra! Não há nada que queiramos fazer que não implique um caminho... seja um desejo material ou espiritual...

Recordo com saudade uma das frases que vivi em primeira pessoa quando fiz o caminho de Santiago: "o caminho faz-se caminhando".

Parece simples, mas o simples é sempre tão difícil de alcançar...

quinta-feira, janeiro 08, 2009

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau


Os seios femininos são sobretudo símbolo de sensualidade para a mulher ocidental, mas em África, a sensualidade da mulher está relacionada sobretudo com a largueza da anca.

No Centro de Recuperação Nutricional de Empada percebi bem como os seios de uma mulher africana são "apenas" fonte de alimentação para as crianças, que pegavam no seio materno com uma violência impressionante. Espremiam, apertavam e a mãe continuava serena a segurar o seu filho ao colo. A minha presença no local não era incómoda para as mães. Gostavam que lhes tirasse uma fotografia e riam-se quando se viam no pequeno visor digital.

A maioria das crianças, por outro lado, choravam sem parar quando eram pesadas na balança. Assim que de lá saíam voltavam para o colo da mãe agarrando-se com toda a força onde podiam. As lágrimas paravam de imediato, ficando apenas um brilhar de olhos no ar...

É um desses momentos que esta fotografia captou...

terça-feira, janeiro 06, 2009

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau


É... trata-se quase de um semi-deus mitológico!
(para citar os amnistisiados que se anteciparam ao meu comentário à foto)

Mas há nesta pequena rapariga uma monstruosa diferença aos deuses gregos e romanos. Enquanto eu, a Patrícia e a Ir. Anistalda caminhávamos pela lama que se enfiava quase até aos joelhos, com caranguejos por todo o lado a ameaçar picar as pernas, e conchas no fundo a rasgar a pele da palma do pé, só para chegar até este momento, junto das mulheres que pescam quando a maré está baixa, apenas duas das raparigas guineenses ficaram para trás para nos ajudar. Ou seja, abdicaram de alguns minutos de pesca para que nós conseguíssemos fazer aquele doloroso percurso. Uma delas era a Helena. A outra era esta rapariga pequena.

Nesse dia ainda não sabíamos que íamos gravar a Helena para o documentário. Apenas fomos com as mulheres pescar. Não sabíamos onde nos estávamos a meter...

Esta rapariga conversou pouco connosco, aliás, nem me lembro de lhe ouvir a voz. Mas lembro-me de vê-la a ajudar a Ir.ª Anistalda a caminhar, a apoiá-la quando escorregava na lama. Guardou-lhe as sandálias no balde que levava à cabeça para que não ficassem presos no fundo da lama. No meio de tudo isto, sorria para nós e mostrava como estava longe do habitáculo dos deuses gregos e romanos... Olimpo! Estava cá em baixo... connosco... e é essa a monstruosa diferença desta rapariga para com os deuses do Olimpo.

Às vezes sentimo-nos lá no alto... como se estivéssemos no Olimpo... mas na realidade deveríamos estar cá em baixo, fazendo-nos pequeninos, pois só assim nos tornamos grandes, com uma grande visão, plena de tudo... só assim estamos atentos e não ficamos indiferentes.


domingo, janeiro 04, 2009


Seria demasiada insensibilidade da minha parte não fazer uma referência ao texto que o Fernando Nobre publicou hoje no seu blog sobre a actual situação que se vive na Terra Santa.


"Grito e choro por Gaza e por Israel"

O que está a acontecer entre Gaza e Israel é um desses momentos. É intolerável, é inaceitável e é execrável a chacina que o governo de Israel e as suas poderosíssimas forças armadas estão a executar em Gaza a pretexto do lançamento de roquetes por parte dos resistentes (“terroristas”) do movimento Hamas.

Este é um pequeno excerto. Convido os meus poucos leitores deste blog a lerem o resto.

sábado, janeiro 03, 2009

Vídeo: ODM | Video: MDG


Depois de trabalhar na Microsoft durante quase uma década, Patrick Awuah voltou ao Gana e em 2002 fundou a Universidade Ashesi, com a ideia audaz de educar a próxima geração de líderes africanos. Os primeiros licenciaram-se em 2006 e o caminho literalmente iniciou-se, fazendo juz ao nome da Universidade - ashesi significa iniciar em Akan, uma das línguas nativas do Gana.

Lomografia: Guiné-Bissau | Lomography: Guinea-Bissau


O Dr. Fernando Nobre disse-me que irá partir para o Zimbabwé a menos que a Palestina...

... estas reticências dizem tudo sobre ele, sobre o modo como está disponível para partir a qualquer momento para qualquer local... incrível!


Fiquei a pensar nas reticências que se seguem à palavra Palestina e decidi escrever sobre o herói da mitologia grega Narcíso a partir desta fotografia da Guiné.

Segundo a versão do poeta romano Ovídeo, Narcíso achava a sua beleza tão sem igual que pensava ser semelhante a um deus. Tal facto levou-o a rejeitar o que sentia por ele a bela ninfa chamada Eco, acabando esta por deixar-se enfraquecer de desgosto até morrer...
Para o castigar, a deusa Némesis condenou Narcíso a apaixonar-se pelo seu próprio reflexo na lagoa de Eco. Ali, encantou-se de tal modo que acabou por morrer a contemplar a sua beleza...
Gosto muito deste pormenor: no dia do nascimento de Narcíso, um adivinho vaticinou-lhe vida longa, desde que jamais contemplasse a sua própria figura.

Segundo a RTP, os ataques israelitas na Faixa de Gaza já causaram pelo menos 450 mortos e cerca de 2500 feridos.
A fotografia que está acima mostra a água que as mulheres muçulmanas, animistas e cristãs de Empada recolheram para que os trabalhadores animistas, cristãos e muçulmanos pudessem construir o Jardim Infantil que irá servir toda a população.

Israelitas e Palestinianos estão, com certeza, embebidos de muito do espírito sobrevivente de Narcíso. Poderiam ter vida longa, desde que deixassem de se contemplar e passassem a olhar para as Ecos que os rodeiam e gritam para que lhes dêem ouvidos...
Bom, talvez existam apenas dois Narcísos na Terra Santa. Logo por azar estão um em cada lado e sobretudo, com o cargo errado, o de governar o país. Com todas as notícias que surgem, só posso confirmar que eles se pensam tão belos e poderosos como os deuses mitológicos...
Como é possível que se chegue a esta situação?

Definitivamente, para mim, as pessoas simples são belas como os deuses mitológicos porque se concentram no essencial da vida, mesmo que esse essencial seja, por vezes, ir buscar água numa vasilha, colocá-la à cabeça, caminhar quilómetros e, com grande esforço, contribuir numa pequena porção para a construção de algo que serve uma comunidade diversificada de pessoas!

E a beleza está no acto! Não no reflexo de quem o fez...

sexta-feira, janeiro 02, 2009

Diário Gráfico: Guiné-Bissau | Graphic Diary: Guinea-Bissau


No dia 20 de Agosto fiz dois desenhos da Fámata. O primeiro já coloquei aqui no blog, o segundo é este.

Hoje decidi abrir o diário gráfico que fiz na Guiné e partilhar o que escrevi nesse dia...

____________________________________________________________________

Empada, 20 de Agosto de 2008

Amanhã é 5ªfeira e sábado já vamos para Bissau, o que quer dizer que já só temos dois dias aqui em Empada!
Hoje não gravámos nada da Rosa, mas estou cada vez mais contente com as imagens que temos da Helena e da Safi...

Hoje gostei muito de ir dar aulas de Português. Realmente o tempo faz milagres! Hoje até me consegui imaginar naquele liceu como professor durante o ano lectivo... enfim... como escreveu o Pessoa, "primeiro estranha-se, depois entranha-se".

Os dias passam rápido por estes lados... ainda no outro dia chegámos e já começo a pensar na viagem de regresso a Lisboa...

Hoje joguei futebol com os miúdos daqui. A sensação que se tem é fenomenal, fabulosa! Nunca joguei com os mais velhos, mas até acho que prefiro jogar apenas com as crianças. Estou com pena de não ter jogado mais dias...
Aqui joga-se futebol descalço. A terra vermelha inflitra-se na nossa pele até ficarmos com os pés e as pernas completamente vermelhas! Ah... mas jogar descalço é cá uma sensação...
...
Estamos a pensar gravar um vídeo para oferecer às irmãs. Terá algumas entrevistas a pessoas da aldeia e nós daremos também a nossa opinião sobre cada uma delas. Acho que será um presente bonito...


quinta-feira, janeiro 01, 2009

Fotografia: Guiné-Bissau | Photography: Guinea-Bissau


Eis também os meus votos para 2009:

Deixemos de ser pessoas pequenas que discutem apenas pessoas...
Deixemos de ser pessoas médias que discutem apenas factos...
Passemos a ser pessoas grandes que discutem sobretudo ideias!

Que as nossas ideias possam ser como os troncos das árvores; sempre a gerar novos troncos, que embora mais finos, têm um potencial incrível por terem nascido de uma base sólida a partir das raízes. Por vezes aparecem pessoas que insistem em podar os nossos ramos novos... dizem-nos que estão ali a mais, que vão desequilibrar a árvore como um todo e preferem ter apenas o tronco principal...
... para que temos um tronco principal se lhe cortamos todos os novos ramos que ele dá?

Se temos medo de crescer e fazer crescer as nossas ideias, só há uma solução: plantar um arbusto em vez de uma árvore! Mas se somos audazes e queremos discutir as nossas ideias ao pormenor, então há que escolher a maior árvore que conhecemos... aquela em que acreditamos e pela qual estamos dispostos a bater o pé para que não nos cortem o mais pequeno ramo... aquela que nos faz aspirar às coisas do alto, não para olharmos de baixo para cima e muito menos de cima para baixo, mas para conseguirmos ver mais longe e não apenas um palmo à frente da testa...

Vou esforçar-me para ter um 2009 cheio de ideias... das que valem a pena!!